Tratamento Colelitíase – Pedra na Vesícula

pedras na vesícula

Colelitíase – Pedra na Vesícula

Sinónimos: colelitíase, pedra na vesícula, litíase vesicular, litíase biliar, cálculo biliar ou cálculo vesicular.

Colelitíase refere-se à formação de cálculos – pedras – na vesícula biliar. Acomete cerca de 10% a 15% da população mundial sendo uma das doenças mais comuns e com tratamento mais dispendioso do sistema digestivo. Pode estar na origem de outras doenças como icterícia ou pancreatite.
Além das pedras na vesícula biliar, é possível ainda a formação de pedras no fígado, a chamada “litíase intra-hepática”.

Tipos de pedraspedras na vesícula

Podemos diferenciar os cálculos biliares em dois tipos: pedras de colesterol e pedras de pigmentos. As pedras de colesterol podem conter pelo menos 60% de colesterol o que resulta em uma coloração amarela, enquanto que as de coloração esverdeada podem apresentar pelo menos 95% de colesterol. As pedras de pigmentos são de cor escura, preto ou castanho, que varia consoante a quantidade presente de bilirrubina e são normalmente mais sólidas que as de colesterol.

Causas

As causas da formação de cálculos ainda não são muito bem compreendidas pela ciência, pensa-se que resulta de um desequilibro nos diversos componentes da bile, especialmente na presença de colesterol e pigmentos biliares em excesso. A bile é composta por água, muco, pigmentos biliares (bilirrubina), sais biliares e colesterol, enzimas e bactérias. Qualquer mudança na composição da bile afeta a solubilidade dos seus componentes, provocando e favorecendo a formação de cálculos biliares.

As mulheres são mais propensas ao desenvolvimento de cálculos biliares do que os homens, e, quase todos os fatores de risco para desenvolvimento da doença estão diretamente relacionados com o estilo de vida, principalmente a alimentação.

Alimentação: Esta é talvez a principal razão da formação desequilibrada de cálculos biliares, vamos listar alguns exemplos:

A superalimentação

O hábito de ingerir alimentos em demasia ou comer com maior frequência daquilo que o corpo necessita para sua nutrição. Esses alimentos em dose exagerada, enfraquecem o organismo dificultando todo o processo digestivo e alterando o pH do meio intestinal, tornando-o num ambiente propício para a fermentação e acumulação de toxinas, congestão do sistema linfático e engrossamento do sangue, que por sua vez irão sobrecarregar o fígado e a vesícula biliar. As doenças intestinas podem reduzir os sais biliares do corpo, levando à formação de pedras, o que é claramente notado em pessoas com doença de Crohn, Síndrome do Intestino Irritável ou outras patologias intestinais.

Refeições fora de hora

Os hábitos alimentares irregulares, que incluem comer entre as refeições e fazer lanches durante a noite, alteram os ritmos biológicos do organismo. Comer algo a cada 2 ou 3 horas, interfere com todo o processo digestivo que estava ainda a decorrer da refeição anterior, mesmo que seja algo tido como “leve”. Este processo onde o sistema digestivo está constantemente a trabalhar, levará à retenção de toxinas, diminuição na absorção de nutrientes e o respetivo stresse ao fígado e vesícula biliar. Muitas vezes beber um copo de água alivia por completo aquela sensação de fome entre as refeições.

Refeições pesadas à noite

As secreções biliares e as enzimas digestivas diminuem drasticamente durante a noite, pelo que não devemos ingerir alimentos muito condimentados e pesados nesse período, em especial após as 18h. Para evitar que os alimentos acumulem durante a noite, o ideal é realizar a refeição pelo menos 3 horas antes de se deitar, e sempre algo leve como sopa, legumes e alguns cereais.

Consumo excessivo de proteínas

O excesso de proteínas leva ao engrossamento e à congestão das membranas basais dos vasos sanguíneos, incluindo os sinusoides do fígado, onde grande parte do soro de colesterol fica impedido de deixar a corrente sanguínea. Com isto, as células hepáticas assumem que há escassez de colesterol no organismo, estimulando a sua produção em níveis anormalmente altos. Esse excesso de colesterol que posteriormente ficará retido no fígado e na vesícula biliar, originará a formação das pedras de colesterol. Outros fatores como o stresse, tabaco, álcool e a cafeína também geram quantidades excessivas de proteína no sangue.

Sal refinado

O corpo necessita de sal para o seu bom funcionamento, devemos, pois, ter em conta que o sal refinado apenas contém 2 dos inúmeros minerais essenciais à nossa nutrição, podendo apresentar um risco para o organismo. Ele impede o livre trânsito de líquidos e minerais fazendo com que o acúmulo de líquidos se estagne nas articulações, nos canais, linfonodos e nos rins. Esse efeito desidratante pode provocar a formação de cálculos biliares, aumento de peso e da tensão arterial, bem como outros problemas de saúde. Utilize principalmente o sal dos himalaias ou sal marinho integral.

Desidratação

Esta é uma condição na qual as células do corpo não recebem água suficiente para os seus processos metabólicos básicos, diminuindo a sua função. São muitas as causas de desidratação: falta de consumo de água, bebidas diuréticas como café e chás com cafeína, substâncias estimulantes como carne, açúcar, bebidas gaseificadas, refeições muito condimentadas, adoçantes artificiais, o stresse, fármacos, excesso de exercício físico e de trabalho, superalimentação e excesso de peso, entre outros. Beba pelo menos 8 copos de água por dia e mantenha o seu corpo hidratado.

Perda rápida de peso

Pessoas com sobrepeso são mais propensas a desenvolver cálculos biliares. É facto indiscutível que perder o excesso de peso promove importantes benefícios para a saúde. Perder pedo de forma muito abrupta, com dietas de baixa ingestão calórica por dia, aumentam o risco de formação de pedras, tanto no fígado como na vesícula. Algumas destas dietas, podem não conter gordura suficiente para que a vesícula obtenha a quantidade necessária para libertar a sua bile. É necessário que uma refeição contenha aproximadamente 10g de gordura para que a vesícula funcione normalmente. Caso contrário, ela irá reter a bile, favorecendo à formação de pedras.

Substâncias farmacológicas

Exemplo disto são a reposição hormonal e contracetivos. O risco de desenvolver cálculos biliares é quatro vezes superior nas mulheres, especialmente naquelas que utilizaram ou utilizam pílulas contracetivas e que passaram por terapia de reposição hormonal. De acordo com pesquisas, os anticoncecionais orais e outros estrogénios duplicam a probabilidade de desenvolvimento de cálculos biliares na mulher. O estrogénio, é uma hormona que aumenta o colesterol biliar e diminui a contração da vesícula, favorecendo não somente a formação de pedras como o desenvolvimento de outras doenças relacionadas com a disfunção do fígado e da vesícula biliar.

Stresse emocional

Um estilo de vida com muito stresse pode alterar a flora natural da bile e causar a formação de cálculos. As emoções favorecem a libertação de hormonas que em excesso desregulam as funções naturais do organismo. Durante um período de relaxamento, o corpo, mente e as emoções trabalham em conjunto para estimular a homeostasia interna do corpo. Respire ar puro e deligue-se das preocupações, certamente irá ajudá-lo a diminuir o stresse acumulado.

Sintomas

A colelitíase é quase sempre assintomática, cerca de 80% das pessoas não apresenta nenhum sintoma que se possa associar diretamente à litíase biliar. Apresenta como principal sintoma dor no hipocôndrio direito e no estômago. A dor causada pela obstrução dos canais biliares pode ter duração de minutos ou horas e ser acompanhada de enjoos, vómitos, suores e palidez.

Formas de tratamento

Para maiores informações sobre o tratamento da litíase biliar, entre em contato connosco.

 

Autor:

Douglas Pompermaier – Especialista em Medicina Tradicional Chinesa

Fontes:

Mortiz, Andreas – Limpeza do Fígado e da Vesícula Biliar
Saúde CUF
MSD
SPED

SP Clinic corpo&mente – Clínica e Centro de tratamento para pedra na vesícula em Lisboa, no Largo do Rato e próximo das Amoreiras e Campo de Ourique. Tratamento para a litíase biliar. No centro de Lisboa, perto de si.