Auriculoterapia

Auriculoterapia

A Auriculoterapia é uma forma de tratamento através do microssistema da orelha, talvez o mais difundido pelo mundo, tendo sido reconhecida pela OMS – Organização Mundial de Saúde em 1990. Tem a sua origem na China, apesar de já ter sido utilizado pela Medicina Ocidental. Chegou a Portugal e à Europa pelas mãos dos Jesuítas Portugueses, que verificaram a eficácia de um tratamento para a dor ciática através da orelha. Apesar de doloroso, resultava. O tratamento era feito com o auxílio de um ferro, que após aquecido em fogo tocava no ponto correspondente à ciática na orelha, aliviando a dor do queixoso. O sistema de Auriculoterapia foi evoluindo ao longo dos anos com a divulgação de inúmeros mapas para o microssistema da orelha, os mais utilizados são os mapas auriculares de França e da China.

A Auriculoterapia é um método terapêutico, de analgesia e diagnóstico, realizado mediante estimulação de algum ponto específico da orelha, promovendo uma homeostase psicossomática e com isso a regulação energética dentro dos meridianos. Os pontos na orelha podem ser estimulados de diversas formas: com agulha de acupuntura, electroestimulação, sementes de mostarda, moxabustão, esferas metálicas ou ainda através de cristais de quartzo.

Embora as pesquisas científicas não forneçam respostas completas para entendermos o mecanismo de ação da Acupuntura e Auriculoterapia através da neurofisiologia, e enquanto que a teoria neuro-humoral forneça dados bastante pobres ao citar a ação das endorfinas ou do portal da dor, já está clinicamente comprovada a riqueza dos resultados dessa terapia em sua própria história.

Podemos acreditar que a grande quantidade de ramificações nervosas derivadas dos nervos espinhais e cranianos, ligam os pontos auriculares às regiões cerebrais que estão ligadas através da rede nervosa aos órgãos e partes do corpo. Assim, qualquer alteração em um determinado órgão ou parte do corpo poderá ser detetada e tratada pelo pavilhão auricular.

A orelha possui dois tipos de inervação, um cranial e outro espinhal. Essa rede nervosa está entrelaçada por praticamente todo o pavilhão auricular, mas os nervos de origem craniana predominam na região central ou interna da orelha, ao passo que os nervos espinhais predominam nas regiões externas ou periféricas da aurícula.

 

Nervos cranianos

Nervo auriculotemporal: provém de um ramo sensitivo do Trigêmeo. Chega até a borda em que a orelha se une à face e ramifica internamente pelo conduto auditivo. Pelo seu trajeto na face e abrangência auricular, esse nervo pode estar envolvido com as sensações zumbido e obstrução do ouvido, dor e ardor na garganta, língua, ATM, face e a sensação de obstrução nasal.

Ramo auricular do vago: originário de um segmento do vago, também chamado de pneumogástrico, que acompanha as veias cervicais, penetra na orelha após se ramificar com o nervo glossofaríngeo e com algumas fibras do nervo facial, abrangendo a face central e interna da orelha. É responsável pela inervação parassimpática de praticamente todos os órgãos abaixo do pescoço, exceto parte do intestino grosso (colo transverso e descendente) e órgãos sexuais.

 

Nervos espinhais

Originam-se do segundo e terceiro pares do plexo cervical e são constituídos pelo nervo auricular maior e nervo occipital menor. Chegam até a orelha através de sua face posterior, onde possuem maiores ramificações. Na face anterior do pavilhão, abrangem a região externa ou periférica. Possuem polaridade simpática e abrangem todas as estruturas musculoesqueléticas representadas no pavilhão auricular.

Pela visão oriental, segundo a Medicina Tradicional Chinesa (MTC) e conforme seus antigos escritos, os 12 meridianos reúnem-se na orelha. A orelha também é uma das principais zonas onde o Yang e o Yin se interrelacionam. Os três meridianos Yang da mão e os três Yang do pé chegam diretamente na orelha, diferentemente dos três Yin da mão e dos três Yin do pé, que chegam indiretamente através de seus ramos.

O pavilhão auricular guarda estreita relação com os órgãos. É conhecido como o palácio do rim, que tem sua porta de entrada através do ouvido. Além disso, ambos apresentam claramente a mesma forma anatómica.

Quando algum meridiano é obstruído e a circulação do sangue e energia perde seu fluxo, aparecem pontos dolorosos na orelha como uma reação reflexa do local obstruído.

 

Indicações

  • Tratamento de dores por trauma externo;
  • O uso dos pontos de Área Correspondente no tratamento de torções, contusões, distensões, contraturas, espasmos e luxações leva a resultados terapêuticos que podem chegar a 95%, com 67% de cura total;
  • Tratamento de enfermidades reumáticas;
  • A utilização de alguns pontos auriculares como Baço, Suprarrenal, Endócrino, Área da Alergia e Ápice da Orelha, combinado com a Área Correspondente, permite elevar a produção de corticoides, produzindo efeito anti-inflamatório, além de elevar o nível imunológico;
  • Tratamento de enfermidades endócrino metabólicas;
  • Nas disfunções da tireoide, hipófise, diabetes, obesidade e anorexia, a Auriculoterapia auxilia na redução e desaparecimento dos sintomas, assim como na diminuição da administração de medicamentos;
  • Tratamento de enfermidades funcionais;
  • A Auriculoterapia produz efeitos bastante satisfatórios no controle das vertigens, palpitações, espasmos de musculatura lisa, hipertensão e nas disfunções respiratórias, urinárias, digestivas e circulatórias;
  • Tratamento das alterações emocionais;
  • As disfunções mentais leves e moderadas podem ser tratadas com bons resultados. Já nos casos mais severos, a Auriculoterapia deve ser combinada com o uso de medicação;
  • Tratamento de enfermidades crônicas;
  • O uso da Auriculoterapia no tratamento de enfermidades crônicas apresenta bons resultados. Porém, necessita de um tempo mais prolongado de aplicação.

 

Tratamento de desintoxicação

O tratamento com Auriculoterapia favorece a eliminação de toxinas do organismo, apresentando bons resultados nos tratamentos das dependências químicas, como drogas, álcool e tabaco.

 

SP Clinic corpo&mente - Clínica e Centro de Auriculoterapia em Lisboa, no Largo do Rato e próximo das Amoreiras. Tratamento através da orelha para as mais variadas condições. No centro de Lisboa, perto de si.